O Jornal de Peniche ***************** Notas das últimas publicações

.posts recentes

. N.º 1284, de 24 de Agosto...

. NÚMERO ESPECIAL - FESTA D...

. N.º 1281, de 13 de Julho ...

. N.º 1280, de 22 de Junho ...

. FALECEU MONSENHOR MANUEL ...

. 1279 - 8 de Junho de 2010

. BETO

. Nº. 1278, de 25 de Maio d...

. N.º 1277, de 11 de Maio d...

. N.º 1276, de 27 de Abril ...

. N.º 1274, de 23 de Março ...

. N.º 1273, de 9 de Março d...

. 1272, de 23 de Fvereiro d...

. N.º 1271, de 9 de Feverei...

. 1270, de 26 de Janeiro de...

. 1267-1268-NATAL:

. Resultados de todas as el...

. ELEIÇÕES LEGISLATIVAS

. ELEIÇÕES - 7-6-2009:

. ECOS E NOTAS

.arquivos

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Junho 2009

. Março 2007

. Novembro 2006

.CONTADOR

..

Advogados
A VOZ DO MAR - Visitas

.QUINZENÁRIO REGIONALISTA.

- - - - -- Propriedade da Fábrica da Igreja Paroquial da Freguesia de Ajuda da Cidade de Peniche - - - - = = = = = = = = = Rua D. Luís de Ataíde, 19 1º Dto. = = = = = = = = - -- - - - - - - - - Telef e Fax 262 783 900 - - - - - - - - - - - - - = = = = = = = = 2520-428 PENICHE = = = = = = = = avozdomar@sapo.pt

================================

Sexta-feira, 9 de Julho de 2010

N.º 1281, de 13 de Julho de 2010:

MORREU UM HOMEM DE FÉ

 

       Poucas pessoas deixaram na vida de quantos caminharam ao seu lado marcas maiores que aquelas que o Monsenhor Bastos, o Sr. Prior de tantos anos ou, como ele gostava de ser chamado, o Padre Bastos, deixou na nossa. O Padre Bastos foi dos que largou tudo e seguiu Jesus para ser pescador de homens, apascentar o Seu rebanho, ser sal da terra e candeia que ilumina o caminho. O Padre Bastos trouxe a palavra de Deus sob a forma de pão, tecto e agasalho mas também da Verdade, da Justiça e da Vida sem hesitações, sem tergiversações. Esteve do lado da Paz e da Concórdia, com um sentido cósmico do que estas palavras significam; ensinou-nos a abraçar a humanidade inteira cada vez que abraçávamos quem estava ao nosso lado. Ensinou-nos que a Vida é um valor supremo e que o Homem é a figura central do Universo, porque criatura dilecta de Deus, feita à Sua imagem e semelhança. Denunciou hipocrisias, meias verdades, novos e velhos farisaísmos. Ensinou-nos pela sua palavra e pela sua vida e esteve ao nosso lado, a bater palmas connosco e a soltar pombas à Nossa Senhora que tanto amou, esteve ao nosso lado quando, longe, nos escrevia cartas e percebíamos que nos guardava no coração, esteve ao nosso lado quando, longe, foi até nós nos mundos que percorreu levando o Evangelho à Emigração, esteve ao nosso lado sempre que dele precisámos e derramou nas nossas angústias e dúvidas o bálsamo purificador da mensagem de Cristo. O Padre Bastos ensinou-nos o culto filial por Nossa Senhora, como amparo e luz das nossas vidas. 

       Se tivesse que definir o Padre Bastos com apenas uma palavra, aquela que me viria imediatamente à cabeça seria “integridade”. É verdade que num homem tão multifacetado, este é um exercício perigosamente redutor; todavia é assim que o lembro, antes de recordar outras facetas: um homem de princípios, que defendia com absoluta coerência e impoluta dignidade, um homem do diálogo mas que não se deixava enredar nos truques da retórica nem cedia ao essencial, um homem que vivia o que pregava e foi duma fidelidade total aos votos que jurara: vivia a pobreza e o desprendimento das coisas do mundo, vivia a obediência á Igreja que amava e que acreditava convictamente ser fonte de Verdade. O Padre Bastos amava os seus semelhantes com a intensidade com que amamos um filho ou um irmão.  Deu de comer a quem tinha fome, socorreu os aflitos, visitou os presos e sempre o fez não para cumprir o cardápio das obras de misericórdia mas porque era para ele natural que fosse assim, porque via no seu próximo a imagem viva do Cristo sofredor que amava acima de todas as coisas. Na sua imensa obra social, o Padre Bastos foi profundamente solidário com os desprotegidos mas a sua acção foi mais além da simples solidariedade pois acrescentou-lhe o amor definidor da caridade não na sua caricatura esmolar mas no sentido imensamente belo com que São Paulo a descreveu à comunidade de Coríntia.

 

       O Padre Bastos, foi um homem de fé, duma fé profunda, visceral, vivida, que o fez sempre ter a certeza de que era possível concretizar grandes obras com recursos escassos e só não foi um idealista ou utópico porque nele perseguir utopias era uma forma de acreditar.

 

       Uma das suas jaculatórias preferidas, que me habituei a repetir com ele ao longo de toda a vida era: “Jesus, manso e humilde de coração, fazei o nosso coração semelhante ao Vosso”. Na enorme simplicidade desta frase, encerra-se uma profunda radicalidade tão fortemente contrastante com o egoísmo bruto, a competição desregrada e a obsessão vertiginosa do poder que caracterizam o chamado mundo desenvolvido. E afinal, talvez , a mansidão e humildade de coração seja o segredo íntimo da felicidade.

 

       O Padre Bastos partiu mas permanece na memória e no coração de quantos privámos com ele e permanecerá também no coração dos nossos filhos a quem transmitimos que um homem Santo cruzou as nossas vidas, nos tocou e nos ensinou a amar a Deus e Deus nos Homens.

       O Padre Bastos acreditava na Comunhão dos Santos e na Vida Eterna.  Hoje, na Glória de Deus, o seu coração manso e humilde transporta certamente as fragilidades, as dificuldades e as esperanças de quantos amou aqui.

 

Junho 2010

 

Victor M. Gil, Médico, Professor Universitário, ex-acólito da Paróquia de Peniche

tags:
publicado por mispeniche às 16:30
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Sara Pedro a 22 de Maio de 2011 às 16:33
Boa tarde.

Eu sou aluno do curso de Desporto e Bem-Estar, na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais em Leiria, e estou a realizar um trabalho sobre a 31ª Corrida das Fogueiras, no âmbito da Unidade Curricular de Organização e Gestão de Eventos. Gostaria de saber onde posso ter acesso ao artigo que foi publicado acerca da corrida nesta edição da Voz do Mar?

Sem mais assunto de momento.

Com os melhores cumprimentos,
Sara Pedro.

Comentar post

.OBRIGADO PELA SUA VISITA

...VOLTE SEMPRE... VOLTE SEMPRE... CONTAMOS CONSIGO ... VOLTE SEMPRE...VOLTE SEMPRE...

.mais sobre mim

blogs SAPO

.Agosto 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.links

.ooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo

------------- ESTATUTO EDITORIAL ----------- ---------DE --------------------------------- "A VOZ DO MAR": --------------- 1 - A VOZ DO MAR, propriedade da Fábrica da Igreja Paroquial da Freguesia de Nossa Senhora da Ajuda da Cidade de Peniche é um quinzenário regionalista que defendendo os interesses deste concelho igualmente faculta as suas colunas a regiões vizinhas (em especial a zona do litoral oeste onde se encontra) que julguem oportuno utilizá-las para idêntico fim. ----------- 2 - Órgão apartidário, de inspiração cristã, procura ser uma presença construtiva dentro da sociedade portuguesa na convicção de que a evolução desta e a consequente eliminação de situações de injustiça que a afectem será encontrada por via pacífica no diálogo aberto, livre e responsável que as diferentes correntes de opinião em tal empenhadas saberão com honra e dignidade travar entre si, diálogo esse que jamais perderá de vista quanto se preconiza na "Declaração Universal dos Direitos do Homem". ---------------- 3 - Dentro da acção formativa e informativa a que se propõe e desenvolvendo-se esta à luz da «Declaração» já referida, o nosso jornal mantendo-se atento aos problemas de âmbito local acolherá igualmente com o maior carinho toda a colaboração de interesse geral onde seriamente, com isenção e objectividade, se analisem actos e medidas de governantes e governados ou se reflicta sobre temas de Religião, de Economia, de Política, de Cultura, de Desporto. ------------------------------- 4 - Em conclusão A VOZ DO MAR assume o compromisso de respeitar os princípios deontológicos e a ética profissional inerentes à prática dum jornalismo digno. --------------------- (De harmonia com o publicado no n.º. 441)

.subscrever feeds